Cel Lep: H.I.G Capital

Com tantas fusões e aquisições aquecendo o segmento de M&A (abreviação para Mergers and Aquisitions, em uma tradução direta “fusões e aquisições”) e buyouts (aquisições totais) no Brasil, não há duvidas de que os negócios na terrinha verde e amarela vão bem.

Ao menos é o que se pode dizer baseando-se nos últimos movimentos de fundos milionários interessados por empresas atuantes no mercado doméstico de ensino.   

E é claro, as escolas de idiomas não poderiam ficar para trás. Especula-se que com a proximidade de eventos como a copa do mundo e as olimpíadas no Brasil, a demanda de pessoas interessadas em aprender uma língua estrangeira seja cada vez maior.

Após o aporte realizado pela empresa Actis na escola de Inglês CNA, foi a vez da escola Cel Lep.

Segundo o jornal A TARDE (link direto:  www.atarde.uol.com.br) o fundo de private equity H.I.G Capital adquiriu 100% da rede de ensino e o fundador e presidente da escola de idiomas Walter Silva de 92 aons , aposentou as chuteiras, isto é, conforme destacou Fernando Marques Oliveira, representante do fundo americano: “Ele queria desfrutar de sua merecida aposentadoria”.

SAIBA MAIS SOBRE A ESCOLA DE IDIOMAS CEL LEP

O CEL LEP, fundado em 1968 pelo professor da USP Walter Silva, tem como foco alunos de maior poder aquisitivo, diferentemente de outras marcas como Wizard e CNA – ambas de olho no público da classe C.
A maioria de suas unidades é concentrada em São Paulo, sendo possível encontrar quatro delas fora da capital – Belo Horizonte é parte das exceções.   
 
ANÁLISE: IMPLICÂNCIAS PARA O SETOR E PARA A COMUNIDADE LOCAL
O número de entidades de educação no Brasil como parte de negócios tocados por estrangeiros é cada vez maior. Torna-se não tão fácil estabelecer uma análise de impactos positivos e negativos advindos da presença destes grupos econômicos dominando o setor, já que especular, em última análise, que a atuação destas empresas poderia favorecer uma acirrante concorrência entre os players deste mercado, levando a uma possível guerra de preços que beneficiaria o consumidor sempe ä procura de opções mais rentáveis, bateria de frente com a hipótese de disseminação da cultura alienígena em detrimento da cultura local, muito comum em redes de ensino que constituem os seus materiais dinâmicos baseando-se em seu “conhecimento de mundo”.
Alguns críticos alegam que o aprendizado de uma outra língua possui, inexoravelmente, alicerces culturais inarredáveis a natualidade da arte de se ensinar e aprender. Todavia, é evidente que aspectos intrínsecos na naturalidade daqueles que aprendem não podem ser neligenciados, fatores controversos que parecem estar reforçados em marcas estrangeiras de peso.
A experiência mostra que, em contrapartida, a atuação dessas entidades em outros países, parece ser bem sucedida haja vista o alto índice de educação de seus países de origem. Claro, outros pontos também resultaram na formação dos chamados “países desenvolvidos”. Entretanto, há muito que se aprender com esses participantes.
Download PDF

Comentários

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta