Verbo To Be No Final Da Frase: O que Significa (Como Usar)

Outro dia nos perguntaram no nosso canal oficial do Youtube: como usar o verbo to be no final da frase em inglês? Essa pergunta surgiu após divulgarmos um vídeo por lá em que foi feito esse uso especial por meio de um exemplo.

Você já conhece o nosso canal de inglês no Youtube? Atualmente são milhares de pessoas nos seguindo por lá e elas contam com a nossa ajuda diariamente para turbinar o inglês. Tem gente do Brasil todo, Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e muito mais. São diversos vídeos gratuitos [clique aqui para conhecer].

De qualquer forma, já falamos sobre o verbo to be inúmeras vezes aqui no blog Inglês no Teclado e também no nosso canal do Youtube. Se você não ainda não tiver o domínio pleno sobre esse tema sugiro que você [leia esse texto, clique].

Falando sobre o uso do verbo to be no final da frase em inglês, esse emprego é muito usual como nos exemplos:

  • I had no idea who she was = eu não sabia quem ela era;
  • I’m not sure what the problem is = não sei qual é o problema;
  • They don’t know what the situation is = eles não sabem qual é a situação;

Verbo To Be No Final Da Frase: revisão

As formas do verbo to be são:

  • Am, Is ou Are (no presente)
  • Was ou Were (no passado)

Para entender o motivo de usarmos o verbo to be no final da frase, você deve relembrar alguns conceitos super básicos. Esse verbo pode ser usado como um verbo comum do tipo estudar (to study), brincar (to play), trabalhar (to work), etc. Observe:

Ex: I study English.

[eu estudo inglês]

Ex: I work every single day.

[eu trabalho todo santo dia]

Ex: This is dirty.

[isso está sujo]

A diferença entre todos esses verbos, no entanto, é escancarada quando montamos perguntas. Assim, vamos pegar os exemplos acima e revertê-los em perguntas.

Ex: Do you study English?

[você estuda inglês?]

Ex: Do you work every single day?

[você trabalha todo santo dia?]

Ex: Is this dirty?

[isso está sujo?]

O que aduzimos dos exemplos acima é o seguinte. Enquanto nos dois primeiros casos fizemos o uso de um verbo auxiliar para estruturar uma pergunta (verbo auxiliar do), o verbo to be (no formato: I am Daniel) simplesmente foi posicionado no começo da pergunta. Logo, a regra para esse verbo especial é: em se tratando de perguntas, o posicione no começo delas. Dessa forma, indicamos se tratar de uma pergunta com o verbo to be.

É evidente que em perguntas com pronomes interrogativos o verbo to be vem na sequência:

  • Who is she? = quem é ela?
  • what is this? = o que é isso?
  • Where are they? = onde eles estão?

O verbo to be possui uma peculiaridade muito interessante. Ora atua como um verbo comum, ora como um verbo auxiliar (em perguntas), dispensando quaisquer outros verbos auxiliares. Ele é o seu próprio verbo auxiliar, se assim podemos dizer.

Essa questão de mudar a posição do verbo to be (ser e estar em português) para frases afirmativas ou negativas e perguntas (logo no começo da frase) não ocorre na nossa língua.  Observe o caso do verbo to be em que ele desempenha o papel de “estar” em português:

  • Isso está sujo (afirmativa)
  • Isso não está sujo (negativa)
  • Isso está sujo? (pergunta)

Ou ainda o verbo to be desempenhando o papel se “ser” em português:

  • Ela é negra (afirmativa)
  • Ela não é negra (negativa)
  • Ela é negra? (pergunta)

Simplesmente fizemos o uso da interrogação. Não precisamos mudar a ordem das palavras. Assim, tanto frases afirmativas/negativas quanto perguntas, assumem a mesma estrutura em português.

Diferentemente das perguntas em inglês que exigem o uso do verbo to be no começo da frase. Bem, agora que já falamos sobre isso e assentamos uma base sólida para a nossa próxima explicação, vamos dar uma olhada no caso do verbo to be no final da frase.

Analise o seguinte exemplo:

Ex: We can’t solve the problem if we don’t know what the problem is.

A frase acima diz algo como “não podemos resolver um problema se o desconhecemos”. Esse é o sentido geral da frase, isso porque podemos a traduzir como “não podemos resolver um problema se não sabemos qual é o problema”.

Um erro muito comum é estudantes da língua inglesa construírem a frase acima como:

Ex: We can’t solve the problem if we don’t know what is the problem.

O erro aqui consiste em colocar o verbo to be na posição indicada, isto é, “what is the problem”. Esse tipo de montagem é apenas adequada para perguntas (como aprendemos acima) e não para frases que compõe uma afirmativa. Uma coisa é perguntar em inglês: what is the problem? (qual é o problema?), outra é compor uma frase na afirmativa a qual é o que temos nesse exemplo. Logo, dizemos:

Ex: We can’t solve the problem if we don’t know what the problem is.

Sacou agora essa questão do verbo to be no final da frase? A questão aqui é: não devemos posicioná-lo como em what is the problem e sim what the problem is, já que, apesar de haver ausência de sinal de interrogação, essa abordagem se trata de ordem de palavras exclusiva de perguntas com o verbo to be e a frase em questão, como já dito, de trata de uma afirmativa. Logo, justificamos porque dizemos coisas como:

  • I had no idea who she was = eu não sabia quem ela era;
  • I’m not sure what the problem is = não sei qual é o problema;
  • They don’t know what the situation is = eles não sabem qual é a situação;

E não:

  • I had no idea who was she (errado)
  • I’m not sure what is the problem (errado)
  • They don’t know what is the situation (errado)

Já que, enfatizando novamente, esse arranjo é característico de uma pergunta e nas frases acima não estamos perguntando nada, mas sim afirmando.

Então é isso.  Espero que essa explicação sobre o verbo to be no final da frase lhe tenha ajudado de alguma forma. Caso você queira esclarecer algum ponto, deixe o seu comentário abaixo. A gente faz questão de responder. No nosso canal oficial do Youtube você tem a oportunidade de melhorar o inglês com força total. É um canal de inglês no Youtube para todos os níveis [clique aqui para conhecer]. No Facebook, sempre avisamos quando há novidades por aqui. Ajuda a gente, é rapidinho!  😉

Curtir página do Facebook

Download PDF

Comentários

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta