SOTAQUE AMERICANO: aspectos que vale a pena ficar ligado

Um dos meus textos favoritos aqui do Inglês no Teclado é o Gap Fillers: porque você deve usá-los para falar Inglês(áudio). Nele dou algumas dicas bem específicas que professores de Inglês e escolas de Inglês não costumam mencionar e que, a meu ver, são extremamente importantes para quem quer falar Inglês. Eu simplesmente adoro falar sobre temas que envolvam características da língua inglesa e que, geralmente, são negligenciados pela maioria dos estudantes de Inglês. Uma dessas características é sem sombra de dúvidas o sotaque americano. Como eu já disse em outros textos do Inglês no Teclado o mais importante de tudo é falar Inglês independentemente do seu sotaque. Entretanto, isso não significa que você deve fechar os olhos (ou tapar os ouvidos) e fingir que os sotaques das pessoas são irrelevantes e que não agregam qualquer tipo de conhecimento.

O sotaque americano, por exemplo, é uma das representações fonéticas mais fidedignas de como expressar as palavras em Inglês e isso aponta claramente como intonações diferentes embutem percepções e entendimentos diversos de quem o escuta. Por isso, resolvi gravar um podcast com dicas de Inglês para os leitores do blog Inglês no Teclado no qual falo sobre esse aspecto super curioso e que também é fonte de aprendizado.

Abaixo você confere o áudio e a transcrição. Não esquece de deixar a sua opinião logo após ler esse texto. Compartilhe nas redes sociais! É sempre importante divulgar esse tipo de conhecimento!

Sotaque americano: dicas de Inglês para ficar super ligado

Dá play no áudio abaixo e acompanhe lendo o texto.  😉

Transcrição do áudio

Oi galera, aqui é o Daniel do blog Inglês no Teclado. Sejam muito bem-vindos a essa aula sobre características envolvendo o Inglês americano.  Quem me acompanha há um tempo sabe como adoro falar sobre pontos bem específicos da língua inglesa – em especial sobre aspectos envolvendo gírias, expressões idiomáticas, phrasal verbs, collocations e outros tópicos similares. Mas se tem uma coisa que é realmente a minha praia e que gosto muito de abordar é sobre o acervo fonético do Inglês americano. Como muitos de vocês sabem, o importante mesmo é aprender Inglês, seja ele americano ou britânico. De qualquer forma, na minha opinião, a fonética é um componente essencial para quem quer aprender Inglês de forma sequencial e principalmente assistida. Quando eu digo assistida é no sentido de aquilo que você aprende, aquilo que você absorve com o tempo acaba lhe ajudando a aprender Inglês de uma forma plena e difusa. É que você não pode se dar ao luxo de aprender inglês como você normalmente aprenderia matemática. Fazer exercícios como no caso da repetição é crucial, mas não é suficiente no caso da língua inglesa.

Você precisa estar ligado em pequenas coisas que chamo de esquisitices da língua inglesa as quais, na maioria das vezes, agregam valor ao processo de aprendizagem. Por isso, nesse podcast resolvi falar sobre o sotaque do americano, em especial uma característica muito comum que eu, sinceramente, aposto que vocês nunca repararam. Apenas para constar, a gente sabe como é controverso dizer sotaque, até porque, assim como no Brasil, é possível encontrarmos diversos sotaques nos Estados Unidos. Ou seja, se eu fizer uma imersão na Bahia, muito provavelmente vou terminar a minha temporada dizendo coisas como:

Ex: Sim e aí, resolveu o quê? Sim, me escute.

E se alguém fizer uma imersão em Minas Gerais, provavelmente, ao final do curso, dirá coisas como:

Ex: Moço, cê tá doido sô? Arreda essa cadeira que tá garrado.

E olha que sou Baiano e moro em Minas Gerais há décadas.

Sotaque Americano falando Inglês: compare e aprenda

Superada essa questão, vamos ao que interessa. A gente se preocupa muito em como construir perguntas em Inglês. Lemos sobre verbos auxiliares, verb to be, verbos modais e assunto correlatos. Mas você já reparou no ritmo e canto presente em perguntas feitas por americanos? Para esclarecer melhor o que eu quero dizer com ritmo e canto, escute o áudio a seguir. Retirei esse pequeno trecho do livro On the Brink do autor Henry M. Paulson, Jr. Nele o presidente do tesouro americano conversa com o presidente Jorge W. Bush sobre uma manobra que estavam a um passo de executar. A ideia era tomar o controle de duas empresas no auge da crise de 2008 com o propósito de resguardar os contribuintes. Enfim, absorver os impactos de duas empresas com enorme risco financeiro.  A intenção desse blogueiro não foi ferir quaisquer direitos autorais ou transgredir regras, mas apenas usar esse pequeno excerto para fins didáticos de ensino.

De qualquer forma, nessa cena, o presidente Bush pergunta a Hank (presidente do tesouro americano) se os gerentes das empresas estavam cientes da ação que iria acertá-los em cheio – uma medida legal conhecida como conservatorship.

“Do they know it’s coming, Hank?” President Bush asked me. “Mr. President”, I said, “we’re going to move quicly and take them by surprise. The first sound they’ll hear is their heads hitting the floor.”

[eles sabem que já está aí, Hank? O presidente, Bush me perguntou. “Senhor presidente”, eu disse, “vamos agir rapidamente e pegá-los desprevenidos. O primeiro barulho que eles vão escutar é o das cabeças deles acertando o chão”]

Sotaque Americano: entonação característica para perguntas

Já falei em outro texto do Inglês no Teclado sobre o sotaque do brasileiro falando inglês. Se você quiser ler a respeito desse assunto pode clicar aqui.

Escute agora como muito provavelmente um brasileiro diria a frase abaixo:

Ex: “Do they know it’s coming, Hank?”

[Eles sabem que já está aí, Hank?]

Agora compare com a particularidade do sotaque americano:

Ex: “Do they know it’s coming, Hank?”

[Eles sabem que já está aí, Hank?]

O que eu vou fazer agora é trocar as línguas e projetar o canto característico de cada nativo (brasileiro x americano) para você perceber como é nítida a diferença em termos de entonação para perguntas:

– Falando Português com sotaque americano:  eles sabem que já está aí, Hank?

– Falando Português com sotaque do brasileiro: eles sabem que já está aí, Hank?

– Falando Inglês com sotaque americano: Do they know it’s coming, Hank?

– Falando Inglês com o sotaque do brasileiro: Do they know it’s coming, Hank?

Conseguiu captar? Espero que depois dessa dica você comece a notar com mais facilidade esse aspecto interessante do sotaque americano.

Sotaque americano: geração de suspense para prender a atenção do ouvinte

Americanos quando querem chamar a atenção de algum ouvinte para determinada parte da sua fala, a qual julgam ou entendem ser a mais importante, criam um pequeno suspense que fragmenta o seu discurso. É como se imputassem àquele que o escuta uma sensação de “atenção agora” ou “atenção no que irei dizer”.

É que muitos americanos parecem acreditar que, ao introduzir uma segunda frase carente de destaque, a frase que a antecede assume um tom, mesmo que brando, de pergunta. Isso mesmo. Apesar de não se tratar de uma pergunta e nos gerar essa impressão devido ao uso de artifício fonético com traço de interrogação, o canto aponta essa característica que mais parece uma mistura de entonação envolvendo uma pergunta ou, como prefiro definir, uso de reticências em forma de sotaque.

sotaque americano
Sotaque americano: fragmento e suspense.

Temos duas frases sendo que a primeira gera suspense como forma de introduzir a segunda que carrega algum elemento conclusivo ou desfecho. Analise o áudio da frase abaixo.

Ex: The first sound they’ll hear.

[o primeiro barulho que eles vão escutar]

A entonação que americanos costumam adotar fica evidente nesse exemplo. A frase completa seria, conforme vimos mais acima:

Ex: The first sound they’ll hear is their heads hitting the floor.

[o primeiro barulho que eles vão escutar é o das cabeças deles acertando o chão]

Entretanto, o primeiro fragmento (chamado fragmento em função da abordagem que adotam) “ the first sound the’ll hear” assume uma tônica de reticências ou “pergunta” que facilmente distinguimos do segundo fragmento “is their heads hitting the floor”. É apresentado como desfecho ou efeito conclusivo.

Se você não conseguiu ainda identificar esse aspecto no sotaque americano, escute os próximos exemplos para reforçar essa minha “tese” que de tese nada tem. É simplesmente uma constatação.

Ex: When I first got back on the stage, I had to work on my confidence.

Ex: When I first got to the U.S. I didn’t know English at all.

Se você estiver se peguntando coisas como “eu tenho que falar assim?” ou “quando uso esse artifício da fragmentação”? Saiba que não tenho nenhuma intenção de lhe sugerir que fale assim ou assado. O propósito desse texto foi apenas chamar a sua atenção para um detalhe do sotaque americano que acho bem curioso;

Até o próximo podcast do Inglês no Teclado!

Curtiu esse texto sobre o sotaque americano? Aqui no Inglês no Teclado adoramos falar sobre inúmeros detalhes da língua inglesa e você com certeza não vai querer perder as nossas dicas de Inglês. Fazemos comentários super interessantes que escolas de Inglês muitas vezes acabam negligenciando e que fazem muita diferença para você que quer aprender Inglês. Curta a página oficial do Inglês no Teclado. A gente sempre avisa por lá quando há novos textos. Ajuda a gente, é rapidinho!  😉

Curtir página do Facebook

 

Download PDF

Comentários

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta